Por que o nebulizador não é recomendado para doentes de covid-19

Médicos afirmam que método pode prejudicar o pulmão já danificado pelo coronavírus

É comum que aos primeiros sintomas de gripe, o doente faça uso de alguns métodos para ajudar na cura. Um antigripal ali, um analgésico acolá, e quase sempre os sintomas vão embora.

Quando a situação é um pouco mais crítica, nebulizadores são utilizados para desfazer o catarro e ajudar a limpar os pulmões, que podem estar carregados, dando aquela sensação de cansaço e falta de ar.

Mas, no caso do coronavírus, nem mesmo a melhor marca de nebulizador poderá te ajudar a acabar com o vírus que já deixou milhares de mortos no mundo inteiro.

A nebulização, extremamente eficiente no tratamento de problemas respiratórios crônicos e agudos, como bronquite e rinite alérgica, não é recomendada pelos médicos no caso de pessoas infectadas ou com suspeita do novo coronavírus.

Segundo especialistas, no processo de nebulização a pessoa elimina mais partículas contaminadas com o vírus que dispersam pelo local.

“Em ambiente hospitalar, não se tem usado inalação e nebulização, justamente por segurança. É pouco efetiva comparada a outras possibilidades como bombinha, que não dispersa o vírus no ar ao redor”, explicou o médico pneumologista José Eduardo Afonso ao jornal Folha de S. Paulo.

Se a pessoa estiver com suspeita de infecção ou já infectada pelo vírus essa fumaça pode contaminar a todos que estejam no mesmo lugar, funcionando como um perigoso pulverizador da doença.

Duas opções podem substituir a nebulização. No caso das crianças está o uso de medicações em jato com o uso de espaçador. Já para os adultos a recomendação são as medicações inalatórias em pó para repor o uso do nebulizador sem comprometer o tratamento.

O coronavírus já matou milhares de pessoas em todo o mundo está deixando um rastro de destruição no Brasil. Fique atento em recomendações que não sejam de especialistas e fuja de qualquer saída milagrosa. Assim como a nebulização, outros métodos tradicionais estão sendo questionados no tratamento da doença, que é nova e ainda gera dúvidas na sociedade científica e médica.

Comprar medicações que alguém informou que pode combater o Coronavírus é outra medida que deve ser evitada por algumas razões. Pode esgotar o produto e faltar para pacientes que realmente precisam do remédio e até mesmo trazer graves consequências para quem resolver consumir por conta própria. O acompanhamento médico se faz necessário mais do que nunca.