Meningite e dengue serão discutidas em audiência pública na Câmara de CM

Audiência pública está marcada para o dia 11 de abril, na Câmara de Vereadores – Foto: Divulgação

A Comissão Permanente de Saúde, Educação e Segurança Pública propôs a audiência pública para debater com profissionais da Saúde, as doenças que estão preocupando e assustando os moradores.

No próximo dia 11 de abril, vereadores e funcionários das secretarias municipal e estadual de Saúde, se encontram no plenário da Câmara de Campo Mourão, as 19h30, em uma audiência pública proposta pela Comissão Permanente de Saúde, Educação e Segurança Pública, para debater os casos de infecção de meningite e epidemia de dengue, através do mosquito transmissor Aedes Aegypti.

As duas doenças estão preocupando e assustando os moradores. Para falar sobre os casos foram convidados, o secretário municipal de Saúde, os chefes da Vigilância Epidemiológica e da 11ª Regional de Saúde, e os presidentes da Associação das Câmaras Municipais da Microrregião Doze (ACAMDOZE) e da Comunidade dos Municípios da Região de Campo Mourão (COMCAM).

A audiência foi solicitada através de um requerimento, protocolado pelos vereadores; Cabo Cruz (PSL), professor Cicero (PT), Edilson Martins, Sidney Ronaldo (Tucano) e Nelita Piacentini,

(PR) e Miguel Ribeiro (PRB). O edital de convocação da audiência foi assinado pelo presidente da Casa de Leis, vereador, Olivino Custódio (PSC).

“É preocupante o aumento de casos de infecção de meningite e de dengue no município. O objetivo da audiência é discutir os casos e as ações para tranquilizar e proteger a população, das duas doenças”, lembram os vereadores. Desde o início do ano, 30 casos de dengue já foram confirmados no município.

Segundo um levantamento da secretaria estadual de Saúde (SESA), em 2018, foram registrados em todo o estado, 1.601 casos de meningite bacteriana, sendo 108 mortes. Neste ano, de janeiro a março, o mesmo órgão registrou 144 casos, sendo 14 mortes. Preocupado com os altos valores das vacinas contra a Meningite, o vereador Roberto Cruz Mendes, (Cabo Cruz), protocolou um requerimento – direcionado ao governador Ratinho Junior – solicitando e sugerindo, a redução temporária, através de um decreto, da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), do medicamento utilizado no tratamento da Meningite Bacteriana e também da vacina de prevenção da doença em virtude da possiblidade de surto que tem assustado os paranaenses.

A procura pela vacina aumentou após a morte do neto do ex-presidente Lula, em 1º de março, e no Paraná depois da morte de dois adolescentes, uma menina – no dia 26 de fevereiro – em

Campo Mourão e um menino em Francisco Beltrão, no dia 5 de março.

O medicamento contra a meningite meningocócica C, a mais comum de acordo com o Ministério da Saúde, é oferecido na rede pública de Saúde, porém, as outras duas que previnem contra os tipos B e ACWY, são apenas encontradas em clinicas particulares e aplicadas em mais de uma dose, elevando o custo. Os preços de cada dose variam de R$ 500,00 a R$ 600 para o Tipo B e R$ 300,00 cada dose, do tipo ACWY.

“Em virtude da possibilidade de um surto dessa doença, principalmente na Região de Campo Mourão, Maringá e Cianorte, estou sugerindo ao governo do estado, a possibilidade de reduzir

o ICMS nos preços das vacinas”, lembrou o vereador.

A meningite é uma inflamação das membranas que envolvem o cérebro. Ela pode ser causada por vírus, bactéria ou fungo, sendo a bacteriana a mais grave. Os sintomas são febre, dor de cabeça e pescoço rígido.