“Quanto vale um “bom dia”?”, por Néu Garcia, na coluna “Por escrito”

Isso depende de que lado você está e como você se sente naquele momento. É comum ouvir relatos de pessoas que dizem que aquele “bom dia” mudou o seu dia. São pessoas que estão passando por situações delicadas de cunho pessoal, financeiro, profissional ou de relacionamento que se encontram num grau de sensibilidade extremo onde uma palavra por mudar tudo. Se a sensibilidade o torna irritado, um “bom dia” pode causar-lhe uma explosão de raiva assustadora. Mas, se por outro lado, a sensibilidade o torna carente, esse mesmo “bom dia” pode lhe mudar a forma de encarar a situação que o incomoda.

Nem sempre a pessoa que ignorou o seu “bom dia” não merecedora de tê-lo, assim como não devemo-nos culpar por aquele dia que tudo o que mais desejamos é o silêncio. Somos Seres Humanos e, portanto, estamos à mercê dos mais diversos tipos de sentimentos que invadem nossa vida. Contudo, um pedido de desculpa na hora oportuna e a boa vontade em desculpar podem resolver tudo.

Se você ignorou o “bom dia” de alguém, desculpe-se na hora certa. Se seu “bom dia” foi ignorado por alguém, aceite o pedido de desculpa quando isso acontecer.
O mundo precisa de mais gentileza e boa vontade.

NÉU GARCIA – é mestre de Cerimônias, gestor comercial e locutor.

Participe da coluna “Por escrito”! Mande seu texto (artigo, poesia, prosa, crônica, etc), com foto e breve biografia para contadokadu@gmail.com