Polícia ouve acusado de golpe em curso para o Exército e abre inquérito

Delegado JOão Paulo disse que várias vítimas registraram queixa – Foto: Clodoaldo Bonete/Tasabendo.com

A Polícia Civil de Campo Mourão encaminhou para a delegacia para ser interrogado no fim de semana, um homem que vinha aplicando golpe do falso curso para ingresso no Exército Brasileiro. Ele mora em São Paulo e nas cidades por onde passa, juntamente com a esposa, anuncia a realização de uma palestra para informações sobre um curso preparatório para o ingresso na carreira militar.

O golpe veio à tona no início do mês, quando o palestrante chegou a Campo Mourão para proferir a palestra e foi reconhecido por um taxista de Araruna, que já havia levado sua sobrinha no ano passado para Umuarama, onde a mesma reunião havia sido realizada. Na ocasião, muita gente participou da palestra, pagou inscrição e depois mensalidade de R$ 196,00.

No entanto, a etapa final do curso, que consistia em uma prova na Unoeste (Umuarama) não aconteceu e todos perceberam que haviam caído em um golpe.

O delegado-adjunto da 16ª Subdivisão Policial de Campo Mourão, João Paulo Menuzzo Lauandos disse que o suspeito foi abordado no último fim de semana, quando se preparava para iniciar a palestra para mais um grupo de pessoas em um hotel no centro da cidade.

“Várias vítimas já haviam procurado a delegacia para registrar queixa de estelionato sobre essa pessoa que vendia um curso para ingresso nas Forças Armadas, nas não ministrava a palestra. No fim de semana, ao tomar conhecimento de que ele estaria em um hotel da cidade, nossa equipe foi ao local e o conduziu para a delegacia para ser interrogado. Algumas vítimas também foram ouvidas. Não houve flagrante porque no momento ele não estava ministrando palestra e nem angariando dinheiro das pessoas”, relatou o delegado.

Na delegacia, o suspeito alegou que apenas presta serviços como palestrante para uma empresa do interior de São Paulo, e não sabe detalhes sobre o esquema. “Na verdade, ele tenta se esquivar da situação, dizendo que a empresa é que contrata e que realiza todos os procedimentos, mas constatamos que é a própria esposa dele que participa da ação, captando essas vítimas, organizando os eventos e recebendo o dinheiro, muitas vezes sem ao menos ter uma data e local marcados para a palestra”, afirma Lauandos.

De acordo com o delegado, teve jovem que perdeu entre R$ 2 mil a R$ 3 mil, pois o casal apresentava também facilidades que deixavam as vítimas entusiasmadas. “Eles insinuavam algumas facilidades, informando que o curso era um pré-requisito para ingresso nas Forças Armadas e, caso a pessoa fosse bem colocada numa prova ministrada por ele, podia até escolher onde trabalhar”,

Além disso, o casal prometia uma bolsa de estudo. “Eles apresentavam mensalidades de 18 parcelas de R$ 199,00 cada uma, mas quem pagasse as dez primeiras à vista, ficava isento das demais, baseado numa lei que não existe, um projeto de lei do Senado que foi arquivado. Ou seja, divulgava isso como algo válido, em mais uma clara demonstração de má fé”, disse o delegado.

O falso palestrante foi autuado por falsidade ideológica e estelionato, crimes que podem resultar entre sete e oito anos de reclusão. A Polícia Civil orienta para que se houver mais pessoas lesadas que procurem a delegacia. “Vamos manter contato com outras delegacias de cidades da região, onde supostamente ele já passou aplicando esse mesmo tipo de golpe.”