Balanço semestral da PM revela aumento de furtos e menos roubos

Polícia Militar fez mais prisões em 2018, comparado ao mesmo período de 2017 –  Foito: Rafael Silvestrin/Tasabendo.com

O 11º Batalhão da Polícia Militar divulgou nesta quarta-feira o balanço de ocorrências atendidas no primeiro semestre de 2018. Comparado ao mesmo período do ano passado, o aumento mais significativo foi no número de furtos, que se elevou de 386 para 469 casos.

Os atendimentos de furtos contabilizados pela PM, segundo o tenente Igor Coelho Dorneles, inclui arrombamentos a residências, estabelecimentos comerciais, furtos de veículos, entre outros.

“Essa questão é bastante complexa, pois a Polícia Militar tem feito várias operações para inibir esse tipo de crime, porém, por ser um delito de menor potencial ofensivo, o indivíduo acaba voltando logo para as ruas e retomando as atividades criminosas”, comenta o tenente.

Por outro lado, houve redução nos roubos, caindo de 171 no primeiro semestre de 2017 para 73 em 2018. “Esse é um tipo de crime de maior risco, quando o criminoso tem contato direto com a vítima, podendo terminar em lesões, por isso também temos intensificado as operações para reduzir esses números”, afirma.

PRISÕES

A ação sempre presente da Polícia Militar nas ruas tirou mais pessoas criminosas de circulação. De janeiro a junho de 2017 foram apreendidos 64 menores e, em 2018, 104, ao passo que entre adultos foram presos ou encaminhados para a delegacia 394 (2017) conta 412 em 2018. “As principais prisões que tivemos foi por embriaguez ao volante, Maria da Penha, tráfico de drogas, entre outros”, declarou tenente Dorneles.

As apreensões de armas caíram pela metade: de 34 para 17, em 2018. “As operações sempre são focadas também nas apreensões de armas, pois retirando a arma de circulação podemos estar evitando diversos outros crimes.”

DROGAS

Quanto às apreensões de drogas, o aumento mais significativo foi de maconha. De 10,8 kg apreendidos em 2017, o número subiu para 54kg em 2018. “Isso tem reflexo em uma grande apreensão realizada este ano, mesmo situação do ecstasy, que tivemos a apreensão de 50 unidades no primeiro semestre de 2017, por uma grande apreensão feita, enquanto que em 2018 nenhuma unidade foi apreendida”, informa.

Sobre o crack, houve redução de apreensão, de 1kg para 300 gramas. Já a cocaína registrou aumento de apreensão: de 143 gramas em 2017, subiu para 207 este ano.