Advogado esclarece ocorrência no Boteco Dona Chica

No decorrer da confusão, segundo Schumann é possível constatar pelas câmeras, que Ricardo participou da briga – Foto: Rafael Silvestrin/Tasabendo.com

Buscando informar de forma oficial e esclarecer dúvidas relacionadas aos fatos ocorridos no último fim de semana no Boteco Dona Chica, em Campo Mourão, o advogado Werner Schumann Junior concedeu entrevista ontem ao Tasabendo.com. Segundo ele, o rapaz ferido com um tiro no pé, estava do lado de fora do estabelecimento quando foi alvejado, e não do lado interno.

“Ocorreu uma briga interna e o senhor Ricardo disse que foi ferido dentro do estabelecimento, mas esse relato não condiz com as imagens das câmeras. Todos os tiros foram disparados do lado de fora, em direção ao estabelecimento”, declarou o advogado.

No decorrer da confusão, segundo Schumann é possível constatar pelas câmeras, que Ricardo participou da briga. “Durante a confusão ele foi retirado do estabelecimento com a devida cautela, justamente para evitar um possível contato com o outro indivíduo envolvido na briga. Ocorre que fora do estabelecimento ocorreu essa perseguição, como demonstra as imagens, quando ele foi alvejado pela bala, não sendo efetuado nenhum tiro dentro do boteco Dona Chica”, afirma o advogado.

O local conta com segurança na entrada, sendo uma pessoa responsável por organizar a fila e pelo menos mais dois que fazem as revistas pessoais dos frequentadores, inclusive em bolsas. “Ainda tem o controle de biometria, cadastro através de CPF, foto do participante e mais 32 câmeras dentro do estabelecimento.”

O local também está com todos os alvarás em dia, com aprovação do Corpo de Bombeiros, Policia Civil, e da prefeitura para funcionamento. “Infelizmente alguns órgãos de imprensa trouxeram informações inverídicas em relação a isso”, disse o advogado.

Durante a confusão, o advogado explica que ninguém foi impedido de sair. No entanto, quando houve disparos de tiros, vindo de fora para dentro, por motivo de cautela os proprietários mantiveram as pessoas do lado dentro sob proteção. “Foi uma medida de proteção, pois ninguém sabia até quando os tiros continuariam. Mas assim que a Polícia Militar chegou rapidamente, os proprietários foram liberando as pessoas com calma para evitar alvoroço e tumulto desnecessário. Claro que numa situação drástica e de anormalidade como foi, muita gente se apavorou, por isso foi dado preferência a essas pessoas. Muitos saíram sem pagar, mas uma vez controlada a situação pela Rotam, a saída foi normalizada.”

Sobre Ricardo Silvério, que informou ao Tasabendo.com ter sido baleado dentro do boteco e de não ter envolvimento na confusão, Schumann disse que a Polícia Civil vai apurar a veracidade dos fatos por meio das imagens das câmeras. “Entramos em contato com ele, e agora vamos fornecer o backup de todas as imagens de vídeos para a Polícia Civil que vai apurar essas divergências de informações. Também tomaremos as medidas legais em relação às informações ventiladas e que não correspondem com a realidade dos fatos”, completa.