Vôlei: Brasil vence Argentina em jogo disputadíssimo em Tóquio

Foto: BRAXTUN – VALENTYN OGIRENKO/REUTERS

O segundo jogo da seleção brasileira de vôlei nessas Olimpíadas foi contra a Argentina, e a partida foi decidida em disputadíssimo tie-brake. O resultado de 3 sets a 2, veio de uma virada inacreditável (BRA-ARG: 19-25, 21-25, 25-16, 25-21, 16-14). Confronto difícil e apimentado pela tradicional rivalidade entre as duas nações nos esportes.

A vitória coloca o Brasil como favorito ao bicampeonato olímpico, mas acende alguns alertas para a estabilidade do jogo.

Já na estreia, sexta-feira, quem esperava jogo fácil se surpreendeu logo no início. Embora a seleção da Tunísia – time que venceu por dez vezes o campeonato africano e está na 16ª posição no ranking mundial da Federação Internacional de Vôlei, parecia não despertar muita preocupação, o que se verificou em quadra foi um pouco diferente.

Claro que quando se verifica o histórico dos times, o público já vinha preparado para a vitória de 3 sets a zero. Se de um lado temos uma seleção de voleibol que busca sua quarta medalha de ouro, com destaques internacionais e atletas que garantiram o primeiro lugar no pódio em 2016, a adversária vem de uma delegação que participou de quase todas as edições dos Jogos Olímpicos de Verão (exceto em 1980) e ao todo conquistou 3 medalhas de ouro, 3 de prata e três de bronze nas 14 edições que disputou.

A Tunísia estreou nos Jogos Olímpicos de Munique em 1972, e joga em Tóquio sua sexta edição olímpica (72, 84, 88, 96, 2004, 2021 e 2020/1). A primeira e única vitória do time tunisiano nas Olimpíadas foi contra o Egito na edição de 1984, por 3 sets a 2 (evitando assim ficar na última posição de classificação).

A primeira vez que Brasil e Tunísia se enfrentaram foi nas Olimpíadas de Los Angeles em 1984, com o placar de três sets a zero (15-5, 15-9, 15-2). Nos Jogos de Pequim, em 2012, o segundo confronto, em que o Brasil ganhou novamente com 3 sets (25-17, 25-21, 25-18).

Desbancando a ideia de que seria jogo tranquilo para o time do técnico Renan Dal Zotto, o time adversário encontrou um Brasil lento e que demorou para reagir. No primeiro set  alcançamos e viramos o set quando a Tunísia já tinha feito 16 pontos. Lucarelli, camisa 18, teve participação especial nesta virada.

O segundo set também não foi de início fácil, com a Tunísia dominando. Mas aí uma alteração no time foi fundamental. Douglas, camisa 14, sensação do time nas redes sociais, entrou e também deu seu show em quadra. Seus pontos foram decisivos para a seleção alcançar a Tunísia, virar e ainda cortou para fechar o set.

O terceiro set foi só domínio do Brasil, que finalmente se encontrou em quadra. O destaque final foi para o camisa 8, Wallace, o maior pontuador da partida com 13 pontos, e para Douglas que fez o ponto que definiu a vitória.

Foi o terceiro confronto entre as equipes na história dos jogos olímpicos e, mais uma vez, foi concluído pelo Brasil por 3 sets a 0 (25-22, 25-20 e 25-15).

CONTRA A ARGENTINA

O jogo de hoje teve o ingrediente especial de ser contra a Argentina, que faz sua 7ª edição olímpica e que tem como melhor resultado o bronze em 1988, nos Jogos de Seul. Os hermanos deram um susto, vencendo os dois primeiros sets, mas a garra e o nível técnico da equipe brasileira foram determinantes para a vitória.

Os destaques do jogo foram Leal, camisa 9, que marcou 18 pontos para o Brasil, e Lucarelli, camisa 18, com 3 pontos de saque e 3 de bloqueio.

PRÓXIMO JOGO

Brasil encara o Comitê Olímpico Russo na próxima quarta-feira, dia 28, às 21h45 – horário de Brasília. Os russos vêm de duas vitórias (3×1 Argentina, 3×1 Estados Unidos).

JOGOS REALIZADOS

BRA x TUN: 3×0 (25-22, 25-20 e 25-15).

BRA x ARG: 3×2 (19-25, 21-25, 25-16, 25-21, 16-14)

Por Rafael Callegari