Benefícios e riscos associados a atividade física

As atividades físicas possuem um papel cada vez mais importante na prevenção e no tratamento de múltiplas doenças crônicas, problemas de saúde e fatores de risco associados.

Devemos diferenciar as atividades físicas de exercícios. Para uma adequada compreensão, entendemos que atividade física é qualquer movimento corporal produzido pela contração de músculos esqueléticos que resulta em aumento substancial da necessidade calórica, e exercício físico é um tipo de atividade física que consiste em movimento corporal planejado, estruturado e repetitivo praticado para melhorar e/ou manter um ou mais componentes da aptidão física, um exercício planejado.

E o que é aptidão física?

Para uma compreensão clara, aptidão física nada mais é que a capacidade de realizar tarefas diárias com vigor e ânimo, sem cansaço indevido e com energia para desfrutar atividades de lazer e que atenda a emergências imprevistos.

Caso for começar um exercício físico ou uma atividade física, deve-se tomar alguns cuidados, e acredito que o principal cuidado é com a intensidade do exercício, pois para portadores de algumas doenças não se pode começar com alta intensidade, e um sedentário teria um esgotamento físico grande se assim o fizer. As atividades físicas estão divididas em intensidades leves, moderadas e altas; para uma compreensão prática: andar normalmente pela casa, ruas ou pelo escritório, é considerado uma atividade leve, andar de 5 a 7 km/h ou passo rápido é considerado atividade moderada, e por fim, a atividade alta é acima de 7km/h, passo muito rápido (trote). Ademais, a intensidade vai aumentando conforme a dificuldade apresentada, como terrenos ingrimes.

Existe, hoje, uma preocupação muito grande no mundo com relação ao peso da população e medidas de saúde pública estão sendo tomadas.

Segundo o American College of Sports Medicine (ACMS) em conjunto com os Centers for Disease Control and Precention (CDC), o U.S. Surgeon General e os National Institutes of Health, entidades que estudam e acompanham as atividades físicas e riscos envolvidos há mais de 20 anos e que hoje são referências no mundo do esporte, as recomendações para a população sedentária sem doença conhecida são;

– Todos adultos saudáveis entre 18 a 65 anos devem participar de atividade física aeróbia de intensidade moderada por, no mínimo, 30 minutos em 5 dias por semana, ou atividade física de intensidade vigorosa durante, no mínimo, 20 minutos em 3 dias por semana.

Combinações de exercícios de intensidade moderada e vigorosa podem ser realizadas para atender as recomendações, assim como podem ser divididas em séries que tenha mais de 10 minutos de duração.

– Adultos devem realizar atividades que mantenham ou aumentem a força e resistência muscular por 2 dias na semana no mínimo (uma atividade como a musculação por exemplo).
Seguindo essas recomendações, minimante, teremos uma manutenção do peso, melhora da capacidade física e prevenção de doenças. Outros objetivos como perca de peso e melhora do desempenho físico requerem maior dedicação de tempo e planejamento adequado. Quanto maior o tempo dedicado à atividade física, melhor será o desempenho. Crianças e adolescentes devem ser avaliados para a indicação mais adequada dos exercícios e atividades físicas.

Hoje há evidências para apoio da relação inversa entre atividade física regular e mortalidade prematura causada por problemas como doenças cardiovasculares, hipertensão, acidente vascular encefálico, osteoporose, diabete mellitus tipo 2, síndrome metabólica, obesidade, 13 tipos de câncer (mama, bexiga, reto, cabeça e pescoço, cólon, mieloma, leucemia mieloide, endométrio, gástrico, rim, pulmão, fígado e adenocarcinoma esofágico), depressão, saúde funcional, quedas e função cognitiva.

Ademais, a realização da atividade física é prazerosa, principalmente quando o praticante procura aperfeiçoar a sua aptidão física com melhora funcional da força muscular, resistência e potência.

Mas a atividade física também apresenta riscos, sendo os principais lesões musculoesqueléticas e complicações cardiovasculares. As lesões musculoesqueléticas estão associadas à intensidade do exercício, natureza da atividade (tipo de exercício), condições de saúde preexistentes e anomalias musculoesqueléticas.

Eventos cardiovasculares adversos como morte súbita cardíaca e infarto agudo do miocárdio, geralmente, estão associados a intensidade vigorosa do exercício. Embora raros, podem ocorrer. Todos os riscos podem ser minimizados desde que o praticante tenha uma avaliação prévia realizada por profissional.

A medicina tem profissionais capacitados para acompanhar a sua evolução na prática esportiva. Esse médico atua na área de medicina esportiva, que é uma especialidade repleta de segmentos teóricos e práticos da medicina com o objetivo de investigar a influência do exercício, do treinamento e do esporte sobre as pessoas sadias ou doentes, com a finalidade de prevenir, tratar e reabilitar.

Mesmo que não se tenha nenhuma doença ou riscos pré-existentes, o ideal é estar acompanhado de um profissional sério e capacitado, para que aja acompanhamento do desenvolvimento físico saudável.