Álcool e celular geraram maioria das multas em 2018 em Campo Mourão

Vários acidentes registados na cidade envolve motoristas que beberam antes de dirigir – Foto: Rafael Silvestrin/Tasabendo.com

Tem sido cada vez mais comum as abordagens de pessoas dirigindo após ter consumido bebida alcoólica no trânsito de Campo Mourão. Em 2018, o Pelotão de Trânsito do 11º Batalhão da Polícia Militar efetuou quase 5 mil multas no total e, pelo menos 30%, motivadas por motoristas embriagados, seguidos do uso do celular ao volante.

De acordo com o 2º tenente Marco Aurélio Duarte, comandante do Pelotão Trânsito, mesmo com tantas multas, o motorista não tem apresentado mudança de hábito. “É preocupante, pois o motorista embriagado pode provocar acidentes graves no trânsito, assim como a pessoa que se distrai com o celular ao volante”, disse o tenente.

No total, 4.896 condutores foram notificados em 2018, um pouco menos que em 2017, que registrou 5.691 multas. “Considero número alarmante, se levarmos em consideração que em setembro do ano passado demos início ao projeto Vida no Trânsito, com várias ações educativas, envolvendo diversos órgãos de segurança. Mas parece que o motorista não consegue abandonar o mau hábito”, afirma o tenente Duarte.

O resultado de tantas multas, reflete também no aumento de acidentes com vítimas. Segundo o tenente, durante o ano passado, 21 pessoas perderam a vida no trânsito de Campo Mourão, a grande maioria, motociclistas.

“O trânsito tem gerado mais mortes na cidade do que outros crimes, como homicídios e latrocínios. Sabemos que na década de 90, Campo Mourão foi destaque na mídia nacional pelo respeito que o motorista tinha com o pedestre na travessia da faixa. Servimos de referência por muitos anos, mas a frota de veículos cresceu, hoje são cerca de 68 mil veículos, 95 mil habitantes e a estrutura de trânsito é a mesma. Não há radares para controle de velocidade, há problemas de sinalização e o efetivo de trânsito não teve alteração”, compara o tenente.

MULTA

A multa por dirigir embriagado é uma das mais duras do Código de trânsito. Essa penalidade traz um prejuízo de R$ 2.934,70 e pode suspender a CNH do motorista por 12 meses.

Nenhum agente de trânsito ou policial militar tem o direito de forçá-lo a fazer o teste. No entanto, novas leis de trânsito buscam penalizar aquele que se recusa a prestar o teste. “Não gostaríamos de fazer qualquer tipo de notificação, ou seja, seria o resultado de um trânsito perfeito. A Polícia Militar promove várias ações educativas, principalmente após o lançamento do projeto Vida no Trânsito para tentar conscientizar os condutores, mas infelizmente muitos preferem manter os velhos hábitos, mesmo cientes dos altos valores das multas.”