Saúde confirma mais 207 novos casos de dengue no PR; região mantém 39

O boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria estadual da Saúde (Sesa) nesta terça-feira (24) mostra que o Paraná registra 2.642 casos confirmados de dengue, o que significa 207 novas ocorrências em relação à semana anterior.

No entanto, na região da Comcam não houve novos casos, mantendo-se 39 confirmações, com Engenheiro Beltrão na liderança com nove casos, seguido de Moreira Sales (6), Peabiru e Quinta do Sol (4), Barbosa Ferraz, Fênix e Goioerê (3), Campo Mourão e Janiópolis (2), e, com um caso cada: Terra Boa e Boa Esperança.

O boletim estadual também traz 37.099 casos notificados. Os dados são referentes ao período sazonal da dengue, iniciado em 31 de julho de 2022. Os casos confirmados estão distribuídos por 225 municípios. Há, ainda, 6.412 casos em investigação.

O informe não traz novos óbitos confirmados e o Estado permanece com três registrados neste período. Dos casos confirmados, 45 casos apresentaram dengue com sinais de alarme e três dengue grave.

A dengue com sinais de alarme é caracterizada por sintomas de maior complexidade. No período de redução da febre, o paciente pode apresentar um ou mais dos seguintes sintomas: dor abdominal intensa, vômitos persistentes, hipotensão e sangramento de mucosa. Já a grave, pode ocorrer hemorragia e choque (situação de emergência decorrente da perda de grande quantidade de líquidos e sangue).

Além da dengue, o mosquito Aedes aegypti também é responsável pela transmissão de zika e chikungunya. Durante este período não houve registro de casos de zika e quatro casos de febre chikungunya foram confirmados, todos importados.

O chefe da 11ª Regional de Saúde, Eurivelton Wagner Siqueira, explica que os números da dengue na região não são alarmantes, porém, orienta para que as prefeituras e principalmente os moradores não baixem guarda. “É preciso manter todos os cuidados porque o índice de notificação continua alto, com 1.077, ou seja, existe o risco dos casos aumentarem novamente na região”, adverte.