Campo Mourão ficou em 2º lugar no Estado em cirurgias eletivas em 2018

Os números foram divulgados pelo secretário municipal Sérgio Henrique dos Santos, durante prestação de contas na Câmara de Vereadores. – Foto: Divulgação

A Secretaria municipal de Saúde de Campo Mourão faturou, em 2018, R$ 531 mil em cirurgias eletivas, fazendo com que o município ficasse em segundo lugar no Estado, atrás apenas de Curitiba. Os números foram divulgados nesta quinta-feira (28), pelo secretário municipal Sérgio Henrique dos Santos, durante prestação de contas na Câmara de Vereadores.

As cirurgias eletivas são procedimentos realizados por meio de agendamentos, ou seja, sem caráter de urgência ou emergência para todas as especialidades. O Paraná é hoje o único estado brasileiro que aplica recursos próprios para cirurgias eletivas, o que possibilitou ampliação do atendimento por meio do Mutirão de Cirurgias Eletivas lançado no ano passado.

“Conseguimos atender pacientes que esperavam há anos por procedimentos, zerando filas de cirurgias de cataratas, por exemplo, garantindo qualidade de vida para centenas de pessoas”, explicou o secretário. Durante a prestação de contas ele apresentou também as receitas e despesas da pasta. Em 2018, foram arrecadados R$ 99,3 milhões e pagos R$ 91,1 milhões em despesas. As contas a pagar somaram R$ 7,6 milhões.

Para o atendimento à população na área de especialidades a maior dificuldade, segundo o secretário, é com neuropediatria e oftalmologia em razão de falta de profissionais na rede pública. Também foram apresentados números dos agendamentos. Das 13.582 consultas agendadas, foram registradas 1.262 faltas, o que corresponde a 9 por cento do número de pacientes que agendaram  mas não compareceram nem cancelaram.

DST

Uma das preocupações manifestadas durante a audiência é com o número de casos de doenças sexualmente transmissíveis, como HIV, Aids e Hepatites. Durante o ano passado foram registrados 41 casos de Hepatites (19 mulheres e 22 homens). “Através do programa de Prevenção temos trabalhado com palestras especialmente nas escolas, orientando os jovens que são os que mais se arriscam nas relações sexuais”, disse a enfermeira Ana Lúcia Cardoso.

Além do secretário e equipe da Secretaria de Saúde, a audiência contou com a presença dos vereadores Edson Battilani (que conduziu a sessão), Edoel Rocha, Edilson Martins, Sidnei Jardim, Cabo Cruz, Elvira Schen e Professor Cícero. A pedido do vereador Sidnei, foi obedecido um minuto de silêncio pelo falecimento da advogada e professora Marta Kaiser, idealizadora do projeto Casa das Fraldas, sepultada na tarde desta quinta-feira (28). Também participaram da audiência o chefe da 11ª Regional de Saúde, Eurivelton Siqueira, representantes do Conselho Municipal de Saúde, da Pastoral da Saúde, hospitais e servidores municipais.