“Filosofando nos botecos da vida”, por Alemão, na coluna “Por escrito”

Alemão

Filosofando nos botecos da vida, de onde debatem-se todos os dilemas que não movem ninguém e mostram o quanto todos podemos ser sábios opinantes sobre todos os temas.

Muitos criticam ou defendem eternamente as atitudes daqueles que se revoltam sobre o que insatisfaz determinados grupos. Mas a luta por direitos segue os interesses daqueles que os defendem, porém, muitas vezes são lutas por recursos que refletem interesses de toda a coletividade. Além disso, poucos pegam em bandeiras ou armas e defendem aquilo em que acreditam.

Determinar o que é certo ou errado é impossível, pois isso é um conceito individual. O que é certo acima de tudo é defender qualquer posição a partir do momento em que haja embasamento e se conhece o real objetivo daquilo que se defende. O que é errado é criticar e descredibilizar qualquer que tenha coragem de se erguer por um ideal, julgando sem saber nem o que está se está criticando.

Não me coloco como simpatizante, ativista, nem ideólogo de todos os temas, mas respeito qualquer um que tenha coragem de lutar por algo em que acredite. Se todos fossemos capazes de enfrentar dilemas sociais em prol de uma crença pessoal ou sonho visando a coletividade, seriamos todos vitoriosos de nossas próprias batalhas. Não precisaríamos mais de políticos, líderes ou ideologias para culpar por fracassos que se refletem em todos.

Há muito para se construir por si só visando um sonho a um bem comum. A você que está estacionado na sua comodidade, cuidando somente do que diz respeito às suas necessidades individuais, então não castre o desejo e força daqueles que realmente lutem em prol de qualquer mudança que seja para um bem maior do que si mesmo.

Possuímos a dádiva do saber, à medida que busquemos respostas. Porém, para obtê-las é necessário observar sob várias óticas e não se tornar crítico. Guiar-se com um cabresto de preconceito, sendo um eterno julgador e nunca um compreendedor das motivações que movem a cada um à sua volta. A verdade para si é somente uma ótica, limitante e empática. O título de “certo” ou “errado” é um paradigma inalcançável que nasce sempre da interpretação individualizada.

Inerente a ideologias deixo aqui meus comprimentos a qualquer um que se coloque a lutar por seus ideias e sonhos. Minha decepção para os críticos, desconstruindo aquilo que não teem coragem de erguer-se nem em prol do que desacreditam. A vida deve valorizar mais os edificadores e dar menos ouvidos aos críticos, desmotivadores e desconstrutores preconceituosos que se sentem mais importantes na sua audácia de sentar e julgar, do que na sua coragem de lutar!

Alemão Natural de Campo Mourão, tem 30 anos e é estudante de História pela Unespar, artista plástico e designer.

Participe da coluna “Por escrito”! Mande seu texto (artigo, poesia, prosa, crônica, etc), com foto e breve biografia para contadokadu@gmail.com