“A educação vem de berço”, por Nayara Costa, na coluna “Por escrito”

nayara-costa-de-souza

A educação tem sido um tema muito discutido ultimamente, tanto entre família, quanto nas escolas e centros de ensino. Crianças e adolescentes estão sendo acostumados de uma forma muito diferente do que há pelo menos 15 anos. Pensando assim que os pais abordaram um certo “sistema” para educar seus filhos, já que estamos numa era digital.

O mundo em geral tem evoluído muito nesses últimos anos, afetando a educação das crianças e adolescentes. Não digo que os pais que não sabem criar seus filhos, mas sim que a era digital tem sido, em partes, cúmplices desta evolução.

Se formos comparar as formas de como os pais educavam seus filhos antigamente com a forma na qual são tratados hoje, veremos que há uma diferença muito grande, pois antigamente era normal vermos crianças tomando conta das ruas com suas brincadeiras, criávamos brinquedos de nossa própria imaginação, enfim, nos divertíamos de uma forma “não digital” como as crianças de hoje.

Antigamente era normal vermos uma criança/adolescente chegar no Pai e na Mãe e chamar de Senhor/Senhora, mas hoje em dia infelizmente não é mais assim. Muitos tratam seus Pais como se fossem um amigo qualquer, e ainda quando o Pai ou a Mãe dá um sermão para correção de seus atos, falam que os pais são velhos, chamam de antigos.

Para muitos jovens de hoje, Michael Jackson sempre foi branco, Jhon Travolta sempre foi um gordo e nem imaginam que no passado ele foi um grande astro do cinema. Nem imaginam o que é assistir “Bananas de pijamas” e se sentir como um personagem do tal desenho ilustrado com tanta animação. Muitos jovens e crianças não sabem como é brincar de telefone sem fio, fazendo das latas de óleo e de um pedaço de barbante uma corrente de “ligação”.

Hoje, fazendo uma reflexão sobre este assunto, mesmo eu sendo nova, posso dizer que em minha infância aproveitei o que pude das brincadeiras de boneca, das casinhas montadas em um ajuntamento de pés de bananeiras. Posso dizer que fui uma criança feliz tendo pouca coisa. Ah! E outra coisa… Éramos felizes com nossas bonequinhas de retalhos projetadas por nossos avós ou pais, e nem sabíamos o que era um celular de última geração.

Digo que tudo o que sou e ainda serei, é o principal resultado da educação que meus pais me deram. É o resultado das brincadeiras sadias em que costumávamos brincar. Não digo que sou a melhor pessoa do mundo, mas sim que fui educada da mais singela forma que existe, pois a educação vem de berço.

Nayara Costa de Souza, 19 anos, estudante de Gestão Comercial na Faculdade Unicampo. Desde criança amo ler poesias e diversos livros de autores tanto brasileiro, como estrangeiros.

Participe da coluna “Por escrito”! Mande seu texto (artigo, poesia, prosa, crônica, etc), com foto e breve biografia para contadokadu@gmail.com