“Amo-te”, por Fátima S. Ferreira, na coluna “Por escrito”

20170107_165927.jpgs

Amo-te, mais do quem ama a própria vida. Porque sem amar-te, do que me valeria viver?

Amo-te em cada fragmento sem utilidade de sua vã alma insana e profana. Porque amar o teu o corpo, faz-me fascinar por sua excêntrica alma.

Amo-te, a cada partícula descabida, na qual nem a vida compete. Mas também, nem a ausência de vida.

Amo-te de um jeito totalmente inexplicável pela ciência. Mas que espiritualmente, também não há explicação.

Amo-te na imensidão de uma noite em boa companhia. Mas também, amo-te sob o sol escaldante de um deserto desprovido de vida.

Amo-te de tantas formas e ao mesmo tempo de forma alguma, amo-te. Porque não encontro maneira de explicar a grandiosidade do meu amor por ti.

Amo-te como quem pede socorro no desespero da falta de um corpo. Mas que também continua a amar-te, mesmo vendo tantos corpos belos por aí.

E nessa febre por amar-te tanto, digo em pensamento o quanto amo-te. Mas também digo em voz baixa, alta, cantante ou em delírios lancinantes… Sempre direi: amo-te, amo-te, amo-te.

Maria de Fátima Saraiva Ferreira. Nascida em Umuarama – PR, reside em Campo Mourão desde 1993. Concluiu Licenciatura em Geografia no ano de 2008 pela UNESPAR /FECILCAM – Campo Mourão – PR. É membro da Associação Mourãoense de Escritores (AME).

Participe da coluna “Por escrito”! Mande seu texto (artigo, poesia, prosa, crônica, etc), com foto e breve biografia para contadokadu@gmail.com