Traficante é preso e diz que CM precisa oferecer mais emprego

Policiais encaminharam dinheiro apreendido, alguns objetos e a droga encontrada na residência para a delegacia – Foto: Rafael Silvestrin/Tasabendo.com

Ao ser preso nesta segunda-feira com crack e maconha, além de grande quantidade de objetos sem procedência, um rapaz de 23 anos culpou a falta de emprego em Campo Mourão, “justificando” que poderia estar trabalhando, porém a cidade não tem oferecido oportunidade.

“Campo Mourão precisa dar uma melhorada nessa questão do emprego para que não esteja acontecendo isso novamente. Um cidadão de bem como eu, que tem profissão e poderia estar trabalhando, mas infelizmente está nessa vida”, declarou o rapaz, de iniciais R.S.C..

Após várias denúncias de moradores do jardim Ipê, onde o jovem praticava o tráfico de drogas, os policiais da Rotam chegaram até o endereço e fizeram a detenção do rapaz. “Ele confessou que pratica o tráfico de drogas há alguns anos. Moradores do bairro já vinham denunciando a grande movimentação de pessoas e de objetos que chegavam à residência do mesmo”, contou o sargento J.Silva, comandante da Rotam.

Além de algumas gramas de crack e maconha, os policiais apreenderam R$ 1.430,00 em dinheiro, mas outra grande quantidade de objetos suspeitos, inclusive jóias, foi deixada na casa, por não haver queixa de furto por parte das vitimas. A PM orienta as pessoas a registrarem queixa sempre que tiverem algum bem furtado.

“Se não há registro de furto, não temos como provar que a mercadoria é ilícita, por isso não podemos nem fazer o encaminhamento para a delegacia. Temos orientado sempre as vítimas que façam o registro quando ocorrem casos de furtos e roubos, pois em uma situação como essa não há o que ser feito pela polícia, delegado ou mesmo pelo poder judiciário”, alerta J.Silva.

O rapaz detido morava em Campo Mourão, mas depois mudou-se para São Paulo, onde teria feito parte de uma quadrilha que roubava carros de luxo. Ao retornar para Campo Mourão, migrou para o tráfico de drogas. “Ele chegou a admitir que trocou um circulador de ar, avaliado em cerca de R$ 500,00 as R$ 600,00 por três pedras de crack. Na casa, ele mostrou uma caderneta com a contabilidade do tráfico, onde mantinha o negócio tudo controlado com as pessoas que chegavam para adquirir a droga. Inclusive os vizinhos denunciaram que muita gente comprava a droga e consumia no meio da rua mesmo”, afirma o sargento. O rapaz foi detido e autuado por tráfico de drogas.