Polícia suspeita que mulher foi morta a mando de amiga por dívida com tráfico de drogas

Delegado João Paulo diz que o crime teria sido motivado por dívidas com o tráfico de drogas.- Foto: Trnoticias.com.br

A Polícia Civil apresentou na manhã desta quinta-feira, os dois rapazes suspeitos de matarem Elizangela Ramalho, de 38 anos, na madrugada de ontem no Lar Paraná, e também informou para a imprensa, que a suposta mandante do crime é uma cabeleireira, amiga da vítima. O crime teria sido motivado por dívidas que Elizangela mantinha com o tráfico de drogas.

Um terceiro jovem foi preso por estar portando o carregador de uma arma de fogo. Ele, porém, não tem envolvimento com o homicídio. O delegado-adjunto da 16ª Subdivisão Policial (SDP) de Campo Mourão, João Paulo Menuzo Lauandos, que preside o inquérito disse que a suspeita de ter encomendado a morte de Elizangela foi ouvida ontem.

“Ela negou que a dívida fosse por conta do tráfico de drogas. Disse que a vítima lhe devia pelos serviços prestados no salão, mas no decorrer das várias oitivas que fizemos durante o dia, a tese de que o crime foi motivado por dívida com o tráfico foi se confirmando. Se isso realmente for confirmado, vamos pedir a prisão da suspeita”, declarou o delegado.

Uma das hipóteses que reforça o envolvimento da amiga no crime é a imagem de um veículo semelhante ao dela, que aparece nas câmeras de segurança do local do homicídio. “Assim que os dois comentem o crime, covardemente, sem nenhuma chance de defesa da vítima, esse carro, idêntico ao dela passa pelo local. Não é possível identificar se os criminosos entram no veículo, mas fizemos a apreensão do automóvel para investigação”, disse Lauandos, destcando o apoio da Polícia Militar na prisão dos criminosos.

Um dia antes do crime, um dos detidos havia assaltado um posto de combustíveis no Lar Paraná e roubado R$ 300,00. A vítima do assalto o reconheceu após a prisão; A arma usada no assalto, um revólver calibre 38 foi apreendido e o mesmo teria sido usado também no assassinato de Elizangela.

“Além do revólver apreendemos também uma pistola 380 usada no homicídio. São indivíduos de alta periculosidade, com várias passagens pela polícia por diversos crimes”, afirma o delegado.