Programa de apadrinhamento de crianças e adolescentes é lançado

Interessados em participar do programa devem procurar a Vara da Infância e Juventude no Fórum de Campo Mourão – Foto: Divulgação

Crianças e adolescentes acolhidas nos abrigos Lar Miriã e A Mão Cooperadora poderão terem “padrinhos”, que são pessoas da comunidade dispostas a colaborar com a rede de proteção sem, necessariamente, ter que adotar. O programa “Apadrinhar para Transformar” foi lançado nesta sexta-feira (17), pelo Poder Judiciário, em cerimônia no Fórum de Campo Mourão.

A reunião, comandada pelo juiz diretor do Fórum, Edson Jacobucci Rueda Junior e pelo promotor da Vara da Infância e Juventude, Luciano Rahal, contou com as presenças do prefeito Tauillo Tezelli, do vereador Sidnei Jardim, representantes da Associação Comercial e Industrial (Acicam) e da rede de proteção da criança e do adolescente do município.

Segundo o juiz, há três formas de apadrinhamento disponibilizadas pelo programa. Uma delas é o “Apadrinhamento de Abrigo”, onde o cidadão poderá ajudar os acolhidos de forma coletiva, com prestação de serviços, suporte material, financeiro e social. O outro é o “Apadrinhamento Financeiro”, seja com doação de material que atenda as necessidades do apadrinhado ou mesmo com o custeio de cursos profissionalizantes, atividades esportivas, entre outros.

Outra forma de apadrinhamento é o “Afetivo”, onde o padrinho ou madrinha pode visitar a criança ou adolescente, assim como levar para passeios, proporcionando promoção social e afetiva, incluindo até a convivência social com familiares dos padrinhos. “Antes de lançar o programa fiz essa experiência, levando crianças do Lar Miriã para passar o fim de semana na minha casa”, revela o juiz.

Os candidatos a padrinho/madrinha, assim como os apadrinhados, não podem estar inscritos no Cadastro Nacional de Adoção. “Fiz o teste antes para assegurar que virar uma referência afetiva não vai atrapalhar o processo de adoção”, afirmou o juiz. Uma parceria com a Acicam garante facilidades para quem deseja, por exemplo, pagar um curso para uma criança ou adolescente acolhido em um dos abrigos.

“É uma forma criativa de dar um atendimento melhor às crianças que pelas mais diversas razões estão nos abrigos. É importante a sociedade entender que os problemas da cidade não podem ficar somente na mão da prefeitura ou do Judiciário. Quem pode ajudar tem essa oportunidade interessante oferecida pelo programa a quem muito necessita”, ponderou o prefeito Tauillo.

Interessados em participar do programa devem procurar a Vara da Infância e Juventude no Fórum de Campo Mourão, preencher um formulário padrão, apresentar documentos e aguardar contato do Serviço de Apoio a Infância e Juventude (SAIJ) para agendar uma entrevista.