Prefeitura informa que paciente morto após descer de ambulância pediu para desembarcar na Praça do Japão

Equipe do Samu constatou o óbito no local – Foto: Rafael Silvestrin/Tasabendo.com

O Município de Campo Mourão, por meio de sua Secretaria de Saúde, emitiu uma nota de esclarecimento para a imprensa, relacionada à morte de Rafael de Souza Santos, 33 anos, ocorrida na noite de terça-feira, por volta das 23 horas, na Praça do Japão.

Conforme a nota, Rafael deu entrada na UPA por volta das 09h55, de terça-feira, o qual foi transportado pela ambulância do SAMU. A equipe do SAMU relatou que foi acionada por uma pessoa que estava em um bar. Essa pessoa informou que o paciente já estava lá há, aproximadamente, dois dias.

A equipe do SAMU, atendendo a solicitação, encaminhou o paciente para a UPA, sendo o caso repassado como paciente etilisto.

Ainda conforme a nota da prefeitura, Rafael foi avaliado pelo médico do plantão, apresentando sinais vitais normais, estava conversando e permaneceu no atendimento em observação, devidamente medicado. Alimentou-se normalmente, permanecendo com os sinais vitais normais durante o período em que permaneceu da UPA.

As 20 horas do mesmo dia recebeu alta da equipe, por estar bem e conversando em boas condições clínicas, segundo avalição médica. Foi transportado para a sua residência em ambulância do município, por volta das 23h, no endereço declinado em sua ficha.

Ocorre que durante o trajeto, o paciente pediu ao motorista da ambulância para que o deixasse em local diverso do que constava em sua ficha, próximo ao Mercado Tradição, não informando o seu endereço correto, apenas afirmando e solicitando que fosse deixado na Praça do Japão, ao lado do referido Mercado (ponto de referência).

O motorista da ambulância atendeu ao pedido do paciente, pois este estava lúcido e conversando muito bem, além de ser maior de idade e capaz. Em seguida, o motorista retornou para a base e após foi informado de que o paciente fora encontrado em óbito.

Na nota, o município lamenta a morte do paciente, e diz aguardar o Laudo do Instituto Médico Legal.