Gustavo travou “batalha” com o coronavírus e saiu vencedor

Livre da doença, Gustavo volta para casa junto com a inseparável Bíblia – Foto: Divulgação

Ele não fazia parte do grupo de risco e sequer conhecia um leito de UTI. Mas o coronavírus não escolhe suas vítimas. Aos 22 anos, Gustavo Galan foi acometido pela terrível doença e travou uma verdadeira batalha pela vida, durante 43 dias internado no hospital Santa Casa de Campo Mourão, dos quais 25 foram na UTI.

Para um jovem que nunca havia sido internado, foi uma experiência amarga, mas que só deixou marcas positivas. Principalmente no que tange a sua fé.

“Antes conhecia um Deus de ouvir falar, mas hoje a experiência que tenho é de um Deus verdadeiro, maravilhoso. Não tenho palavras para agradecer as experiências que tive com Ele”, testemunha.

Faltam palavras também, segundo ele, para agradecer o tratamento que recebeu da Santa Casa, desde as pessoas que faziam a limpeza aos enfermeiros e médicos. Evangélico, Galan também é grato pelas correntes de oração, inclusive durante as madrugadas.

“O tratamento que tive na Santa Casa não tem preço, desde o primeiro dia que entrei no hospital, o carinho e atenção de todos. Médicos, enfermeiros, enfim toda a equipe sempre prestativa e com atendimento que dispensa comentários. De imaginar que quando estava na UTI, meus pais até pensaram em me transferir para outra cidade, mas agora entendemos que Campo Mourão possui uma estrutura completa e médicos também muito preparados, ou seja, o que puderam fazer por mim eles fizeram. Não é preciso buscar tratamento fora”, agradece.

A DESCOBERTA

Galan conta que descobriu a doença no dia 13 de maio, no hospital da Unimed, durante uma tomografia. “Senti alguns sintomas em casa e quando fui fazer a tomografia a suspeita aumentou. Fui encaminhado então para a Santa Casa e no segundo dia de observação a médica comunicou que teria que se entubado, pois a situação já era crítica”, revela.

A preocupação da família só aumentava e a próxima etapa do tratamento era a mais complicada. O jovem foi levado para a UTI, onde permaneceu 25 dias, sendo 18 deles entubado.

“Após isso foram mais 16 dias no quarto para poder tratar os resquícios da covid. Foram dias muito difíceis, mas Deus colocou anjos para me proteger, pessoas que não se cansavam de orar e interceder pela minha vida, inclusive nas madrugadas”, diz ele.

BÍBLIA NA UTI

Ao receber o comunicado de que seria entubado, Galan conta que fez um pedido para a médica. “Perguntei se podia levar a Bíblia junto na UTI e ela autorizou. Enquanto permaneci na UTI, a Bíblia ficou aberta ao lado da cama e muitas pessoas que vieram me visitar, liam alguns trechos para me dar conforto. Isso só fiquei sabendo agora que estou em casa, pois naquele período nem sabia o que estava acontecendo. O medicamento era muito forte, perdi a noção do tempo na UTI, não sabia quando era dia, noite, horas, ou se chovia ou fazia sol. Vivi os momentos mais difíceis da minha vida”, conta Galan.

VOLTA PRA CASA

O alívio só veio na quarta-feira (24), quando ele, enfim, recebeu alta do hospital. Ao chegar em casa, mais uma surpresa.

“Meus pais renovaram o meu quarto, encontrei tudo muito bonito e agora é curtir a família, matar a saudade dos amigos e me recuperar bem para voltar para a igreja. Tenho muito testemunho para revelar.”