Casa das Fraldas: Há 11 anos eram produzidas as primeiras fraldas pela entidade

Empresários de Londrina durante visita para conhecer o projeto  em Campo Mourão – Foto: Divulgação

Foi no dia 6 de maio de 2008, em uma sala cedida pela Associação Comercial e Industrial (Acicam), que acadêmicos de Direito do Centro Universitário Integrado reuniram pela primeira vez para confeccionar fraldas com a finalidade de repassar a entidades filantrópicas de Campo Mourão. A meta era produzir cinco mil fraldas, mas a ação – inicialmente projetada para ser temporária – tornou-se permanente com a instalação da Casa das Fraldas. Posteriormente o projeto de responsabilidade social foi transformado na Fundação Casa das Fraldas São José. A produção nesses 11 anos já ultrapassa a 1 milhão e 400 mil fraldas.

Mas o êxito da ação inovadora não ficou restrito a Campo Mourão. Nos últimos anos, o projeto idealizado pela advogada, professora e diretora executiva da Acicam, Marta Kaiser Leitner, foi adotado e implantado em mais de duas dezenas de cidades paranaenses. Também foi implantado na Bahia. Autoridades e lideranças de outros estados já estiveram em Campo Mourão para conhecer a ação.

Parte da produção é destinadas gratuitamente a entidades filantrópicas de Campo Mourão. Entre elas, o Lar dos Velhinhos Frederico Ozanam, o Hospital Santa Casa, a Apae e o Lar Dona Jacira, entre outras. São instituições onde a fralda é um produto indispensável, que é consumido em larga escala e que consumia parte expressiva dos parcos recursos disponíveis. Ao atender essa demanda, a Casa das Fraldas acaba ajudando também a viabilizar a reforma de instalações, ampliações, aquisição de equipamentos, ampliação da clientela atendida, implementação de novas ações e outras ações dessas entidades.

Porém, não são beneficiadas apenas entidades filantrópicas. Todos os meses, a Casa das Fraldas fornece o produto a cerca de 450 pessoas de Campo Mourão comprovadamente carentes, em situação de miserabilidade, devidamente cadastradas. A inclusão dos beneficiados é precedida de uma visita “in loco” para constatar a necessidade e a real situação de carência. A partir daí, a distribuição e o monitoramento tem o apoio da Pastoral da Saúde.

Não é demais ressaltar que para o idoso ou uma pessoa acamada, por exemplo, a fralda descartável não é um simples produto de higiene. Para aquelas pessoas carentes, atendidas pela ação, a fralda é ingrediente importantíssimo também para o resgate e manutenção da autoestima. Isso porque dificilmente teriam condições de comprar o produto.

Ao longo desses 11 anos, a Casa das Fraldas enviou ainda doações para atender desabrigados de enchentes e outros fenômenos climáticos ocorridos em Santa Catarina e na região serrana do Rio de Janeiro. Fez ainda doações e inúmeras entidades filantrópicas da região.

A ORIGEM

Tudo começou durante uma aula do curso de Direito da Faculdade Integrado. Como o currículo do curso exigia o desenvolvimento de uma atividade acadêmica de responsabilidade social, a professora Marta Kaiser Leitner (falecida no início deste ano) propôs um desafio aos acadêmicos: confeccionar fraldas para destinar a entidades locais. De pronto, os futuros advogados, juízes, promotores aceitaram o desafio.

A ação teve o apoio da Associação Comercial e Industrial (Acicam), então presidida por Nestor Bisi, bem como da direção do Centro Universitário Integrado. O projeto contou com a ajuda financeira de empresários e professores. Com a colaboração de R$ 10,00 de cada aluno foram adquiridos os kits de matéria prima para a produção das fraldas.

Os acadêmicos cumpriram a meta em pouco tempo, com um trabalho rápido e eficaz. Foram produzidas não cinco mil fraldas, mas 20.830 fraldas, entregues para o Lar dos Velhinhos, Lar da Jacira e Hospital Santa Casa de Campo Mourão.

O extraordinário resultado alcançado pela ação na comunidade e a repercussão obtida pela ação levaram a mantenedora do Centro Universitário Integrado, professora Conceição Montans Baer, e o então presidente da Acicam, Nestor Bisi, a propor a idealizadora do projeto a continuidade da produção de fraldas, com o desenvolvimento de um trabalho de caráter permanente.

O desafio foi prontamente aceito e no dia 13 de novembro de 2008 foi inaugurada a Casa das Fraldas São José, localizada na rua Edmundo Mercer,  nº. 900. Na coordenação do projeto de responsabilidade social permaneceu a idealizadora da ação, Marta Leitner. A Associação Comercial Industrial de Campo Mourão e o Centro Universitário Integrado também permaneceram à frente da ação, que conta com a parceria de instituições, Justiça Estadual, Justiça Federal, clubes de serviço e empresas.

O trabalho voluntário é outra característica marcante da Casa das Fraldas. São os alunos do Integrado, membros de clubes de serviços, grupos de amigos, apenados e a comunidade de Campo Mourão que produz – de forma voluntária – as fraldas..

O projeto ganhou destaque estadual quando recebeu, em 2010, o Prêmio FACIAP – Responsabilidade Social e Desenvolvimento Sustentável. Em 2013, a Casa das Fraldas conquistou o Prêmio Bom Exemplo Paraná, outorgado pela RPC TV e a Fundação Dom Cabral.

No dia 12 de julho de 2017 aconteceu a assembleia de constituição da Fundação Casa das Fraldas São José. A transformação do projeto de ação de responsabilidade social em fundação visou facilitar a captação de recursos financeiros, não apenas junto ao poder público, mas através de doações para abatimento em tributos.

Com mais recursos, o objetivo é aumentar em 20 por cento a produção para atender toda a demanda de Campo Mourão e parte da demanda regional.

A construção de sede própria é outra meta da Fundação Casa das Fraldas. As instalações atuais são pequenas e para a construção da sede própria – que viabilizará a ampliação da produção – já existe o compromisso de doação de terreno por parte da prefeitura.

A instituição tem quatro sócios beneméritos: Associação Comercial e Industrial (Acicam), CIEs – Centro Educacional Integrado, Unimed/Regional de Campo Mourão e a Coamo Agroindustrial Cooperativa.