Coamo: R$ 109 mi em sobras e mais de R$ 14 bi de faturamento

Gallassini destaca que a antecipação só é possível devido a solidez, administração, participação dos associados e bons resultados que a cooperativa vem obtendo – Foto: Divulgação

A diretoria da Coamo Agroindustrial Cooperativa anunciou na tarde desta segunda-feira (03) a antecipação de R$ 109 milhões em sobras aos associados referente ao Exercício 2018. O pagamento será realizado na próxima segunda-feira (10) em todas as Unidades da cooperativa no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

O comunicado foi realizado pelo diretor-presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, durante coletiva de imprensa na sede administrativa da cooperativa, em Campo Mourão (Centro-Oeste do Paraná). Sobre o faturamento da Coamo em 2018, ele afirmou que deve passar de R$ 14 bilhões, 25% a mais em relação ao ano passado. “O fechamento só acontece no dia 31 de dezembro, por isso não gosto de falar antecipado, em  ter o número real. Mas vai passar de R$ 14 bilhões”, disse Gallassini.

A antecipação das sobras é uma tradição da Coamo e o benefício será pago conforme a movimentação de cada associado na comercialização de soja, trigo, milho e insumos. O dinheiro, apelidado de 13º do cooperado, ajuda a movimentar o comércio no final do ano nas cidades em que a Coamo está inserida. O restante das Sobras será devolvido aos mais de 28,5 mil cooperado após a realização da Assembleia Geral Ordinária (AGO), na segunda quinzena de fevereiro de 2019.

Conforme o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, é uma satisfação para a diretoria da cooperativa anunciar está boa notícia para o quadro social. “A Coamo possui tradição do pagamento antecipado das sobras nesta época do ano. Essa condição é realizada desde a sua fundação, há 48 anos”, comenta Gallassini.

Ele destaca que a antecipação só é possível devido a solidez, administração, participação dos associados e bons resultados que a cooperativa vem obtendo. “Comemoramos novamente esses bons resultados, fruto da participação efetiva dos cooperados e da boa administração da diretoria. Neste ano que estamos prestes a encerrar, mais uma vez, o balanço é positivo. Apesar da crise que diversos setores do país vêm passando, a agricultura consegue se manter muito bem como âncora da economia, e ainda apresenta bons números, os quais são bem recebidos pelos associados”, assinala Gallassini.