Paciente é curado de ferida crônica graças a tratamento especializado no município

A semana começou com uma boa notícia para o professor aposentado Benjamin Sousdaleff. Ele recebeu alta do tratamento de uma ferida crônica na perna, em menos de 50 dias de atendimento especializado através da Secretaria Municipal de Saúde. O tratamento foi feito pelo médico infectologista Rodolfo Poliseli e pela enfermeira Rosinei de Freitas, que é especialista no assunto.

O aposentado conta que temia pela amputação da perna, depois de muitos anos buscando tratamento, inclusive em grandes centros, como São Paulo. “Quando começamos o tratamento, no terceiro dia eu já percebi uma melhora incrível. Em menos de dois meses, já sinto o alívio e percebendo a recuperação”, agradece o paciente, que passou por seis aplicações de curativos denominados “bota una”.

Segundo o médico, Benjamin é um dos 23 pacientes que atualmente recebem tratamento de feridas crônicas. “Montamos uma estrutura para um atendimento específico e individualizado e obtivemos uma resposta muito satisfatória. Resultados como do senhor Benjamin serão uma rotina agora”, afirma o médico.

SALA NA SECRETARIA DE SAÚDE

A Secretaria Municipal de Saúde já está trabalhando para implantar um Ambulatório de Feridas no município. Por enquanto, uma sala está sendo preparada na sede da secretaria para prestar esse serviço, que não pode ser feito em domicílio.

Com a estrutura montada é possível conseguir o credenciamento junto ao Ministério da Saúde e receber recursos federais para o serviço, que atualmente é prestado com recursos do município.

“Recebemos a incumbência da atual administração de estruturar um espaço físico e montar a equipe para solicitar o credenciamento. Isso será um grande avanço porque os medicamentos usados nos tratamentos são caros e hoje o município banca sozinho”, salienta a enfermeira Rosinei de Freitas.

Segundo ela, a importância desse serviço para o município é a qualidade na assistência prestada aos pacientes, com uma equipe qualificada e especializada. “O resultado é a rapidez do tratamento e, na grande maioria, a cura definitiva de uma ferida que chegava a perdurar meses ou anos, como foi o caso do senhor Benjamin”, explica a enfermeira.