Optometristas apresentam projeto na Câmara para reduzir filas na saúde visual

Fábio Cunha e Odilon Leal – Foto: Fernando Lorenzzo/Tásabendo

Optometristas de todo o Paraná participaram de uma reunião realizada na Câmara Municipal de Campo Mourão. O encontro foi realizado na manhã desta quarta-feira (09) e contou com a presença de quatro vereadores: Nelita Piacentini, Jadir Soares, Tucano e Dr. Miguel, além do secretário da Fiscalização do Município, Cristiano Calixto, e do optometrista Odilon Leal.

O diálogo foi no sentido de expor e esclarecer as funções dos optometristas, que realizam em todo o mundo o atendimento da saúde visual primária. “É uma profissão que existe em todo mundo, tradicional, reconhecida por todas as entidades internacionais. A Organização Mundial de Saúde (OMS) fomenta a presença do optometrista nas frentes de trabalho em todas as campanhas de atendimento visual à população. Da mesma forma a Organização Panamericana de Saúde e, destacadamente, o Conselho Internacional de Oftalmologia. Falo deste órgão em especial porque uma parcela dos oftalmologistas brasileiros ainda resistem ao exercício da profissão de optometristas no país”, explica o Assessor Jurídico do Conselho Brasileiro de Óptica e Optometria, Fabio Cunha, que também esteve presente na reunião.

De acordo com Cunha, com a atuação dos optometristas no sistema público de saúde, as filas poderiam diminuir significadamente. “O Optometrista é preparado para resolver alterações visuais não-patológicas, que são 90% de todos os casos de problemas visuais, encaminhando para o médico casos patológicos. É assim em todo o restante do mundo”, enfatiza.

Para viabilizar a proposta, o advogado dos optometristas entregou aos vereadores uma sugestão de Projeto de Lei. “A classe profissional pede o apoio de vossa senhoria na elaboração e construção de um projeto que ajude a nossa população, cientes do seu comprometimento com o vosso eleitorado e com a saúde visual, contamos com sua ajuda”, diz a introdução do material.

Os vereadores presentes se comprometeram a estudar o projeto e ficaram satisfeitos com a mobilização. “Acredito que exista uma reserva de mercado, e quem está perdendo é a população. Podem contar comigo”, afirmou o vereador Dr. Miguel.